CÂNTICO DOS PRANTOS




1 – da geografia dos rios

os rios conhecem a terra
musgos, relvas, pradarias.
ribanceirando os caminhos
ao encontro de outros rios.



desmatamentos, queimadas, esgotos
indústrias. roubo de areia
dos leitos para as caras moradias
canais de fezes, do mundo,
cercas, nada disso impede os rios



2 – o movimento dos peixes

os rios têm o seu povo
universos que se agitam
no milagre da existência
da vida de todo dia.



choram o verde que era verde
e hoje é seca, cinza, prantos.
choram os meninos travessos
que aplacam a ira dos rios.
choram os meninos e os bêbados
que morrem nas águas vadias,
nas águas da morte funda
da terra sem moradia.



3 – o tempo social dos rios

os rios choram seus mortos
nas enchentes e marés,
os rios cantam seus mortos
nas chuvas das cabeceiras.
lamento das lavadeiras
no barulho dos anzóis
nos esgotos que recebem
nas barragens que constroem.



é para os rios que convergem
as lavadeiras do Brasil.
assembléia de mães pobres
confluência da esperança.
com o sabão da miséria
i a grandeza cotidiana das mãos
ensaboam e enxagoam
a sujeira dessa vida.
vida de pobres e ricos
de dores y alegrias.



nesses tempos de miséria
os rios são o choro da terra.



Menezes y Morais
O Rio: Antologia Poética
Teresina: Edições Corisco, 1980

Nenhum comentário:

acompanhe por e-mail