TORSULA



conheci um poeta que foi ameaçado com uma camisa-de-força caso se recusasse a seguir a medicação do hospital. e olha que ele foi para o hospício porque queria descansar. a família encaminhou tudo e deixou a entender que, sempre, toda e qualquer medida só seria tomada com o seu (dele) consentimento. ele disse para a médica no corredor:
                                                                                    - ME DEIXE EM PAZ, SUA PORCA.
                                                                                    Ela havia dito antes, em tom de 
                                                                                    gozação: 
                                                                                   - é assim que você que ficar em paz? matando sua mãe aos poucos. quando é que você vai entender as coisas? você não acha que já fez demais nesse tempo em que passou fora? por que você não resolve seus problemas de sexo com estas menininhas de subúrbio? olha, meu filho, você se engana se pensa que eu não conheço marx. seus parentes me falaram de seus problemas com tóxico. você não acha que pega mal ser um maldito amparado pela família?
MORDAZ MORDAÇA SANGRIA



Durvalino Filho
Os caçadores de prosódias
Teresina: Projeto Petrônio Portela, 1994

Nenhum comentário:

acompanhe por e-mail