NO AUDITÓRIO DA DIFUSORA




…E aquela voz suave o auditório enchia
D'uma branda canção vinda de um peito brando...
E o microfone, é óbvio, pleno de ufania
Sorvendo tal voz plácida e após desfraldando-a.

E ela – a cantora – estrela única que luzia
Nos céus daquele palco, sorria de quando
Em quando, ao tempo exato que meu peito hauria
A afeição em dois lábios sorrindo e cantando...

Porém, nunca os seus olhos co'os meus se encontraram
P'ra extirparem a ânsia daquele desejo...
E quando desabrochava a boca, bem lançava,

Seu olhar lindo, lindos flertes que tragaram...
… E enquanto aos outros riam, nem sabia que, em desejo,
No fundo do salão, indigno a contemplava...

                                           

Antônio Carlos Fernandes da Silva
Teresina, 19/03/67
em Pétalas Negras (1967)

acompanhe por e-mail