TERESINA DO MEU CALOR




Quis fazer uma ode ao calor
Ó amigos, por favor
não confundas
com ódio ao calor.

Ao nosso calor abrasador
acolhedor
que pelo BRO passou
e em janeiro penetrou.

Claro que nos faz insônia
que nos incomoda
que nos deixa acordados
noutro dia extenuados.

Calor que exige
mini-saia, mini-blusa
tudo miniminha
até mini-calcinha.

Calor que acaba camisa
bem debaixo do sovaco
calor que nos faz achar
Teresina um buraco.

Calor até onde existe
o tal ar refrigerado
vide, vide o aeroporto
que é melhor atestado.

Calor pra tudo que é lado
calor pra cima e pra baixo
E só nos clubes sociais
E que frescura eu acho.

Teresina, menina quente
incrementada, pra frente,
Teresina do meu amor
Teresina o meu calor.



Deusdeth Nunes
em Revista Cirandinha, nº 2 
Teresina: 1978

Nenhum comentário:

acompanhe por e-mail