APONTAMENTOS PARA UM POEMA DO RIO POTY




Mais na lembrança do que na paisagem
desce no seu caminho vagaroso um rio pobre.
Lento fluir de águas quase mortas.
Rio Poty
rio sem história
rio sem memória.

Um sinal de beleza nesse rio é uma cousa exterior a ele
e está confinado em palavras - o Porto do Noivos. Porque a
beleza não está propriamente no porto, mas nessa
denominação com tudo o que ela sugere de lirismo.

Algo fantástico nesse rio mal nutrido, meio devorado pelo 
sol: as arraias enterradas na lama que, há muitas águas
passadas, assombravam os moleques da manhã.
Como um pássaro mudo o rio humilde vai passando pelos
espaços do seu silêncio.
Rio Poty
rio sem surpresa
rio sem memória.



H. Dobal
em Obra Completa - I (poesia)
Teresina: Corisco, 1997

Nenhum comentário:

acompanhe por e-mail