CASA DE PALHA




Acenderam a luz da lamparina
A casa vibra tenra, iluminada
Tanta doçura, tanta, em quase nada
Espelha esta gigante Teresina!

É noite! A paz em todo lar domina
Casa de palha, velha, desbotada
Eis minha vida em versos decorada
Pobreza que tão tarde me fascina

Eu venho de outros mundos soluçando
Estas lembranças que me foi roubando
O tempo que passava loucamente!

Casa de palha: marcos de bondade
Que vão somando, vão pela cidade
Lastros de amor no coração da gente.



Gregório de Moraes
em Auroras Perdidas
Rio de Janeiro: 1970

Nenhum comentário:

acompanhe por e-mail