RÉCITA


                                            Para o amigo Ozildo Barros

1


Lixo atômico!
Ai, minha terra Francisco Santos!...
                                           Picos!...
Em vez de plantar mandioca
Vai plantar o câncer.
Ai dos meus rios,
Ai das minhas fontes,
            Pontes
     Lençóis freáticos!
O país do não come,
O país do não veste,
O país do não ouve,
O país do não chove,
- Piauí, triste/teste/toste.
Vamos receber o lixo do luxo,
Vamos receber o câncer dos ossos,
Vamos receber o câncer dos olhos,
Dente por dente, por dentro, olho por olho.

Meu grito contra o lixo atômico
É um grito histriônico:
- À merda, bomba! – Todas as bombas!


       
2


Não se pode mais plantar
                              batatas
Nas chapadas de Francisco Santos.
Não se pode! Não se pode!
Lá vão depositar o lixo dos “estranjas”...
No Piauí, não se pode, não se pode!

Ai, pátria do “não chove”,
Não come,
Não dorme.
Aí vem a bomba e sua carga
Amarga!
Molhemos nossos olhos, olhemos
Nossos próprios ossos.
Ai das nossas águas rio arriba,
                                 rio abaixo!..
Ai, Parnaíba, “velho monge”
Das nossas terras!
Ai do nosso sangue! Dói.
Morrendo nos veios, nos vales, nas chapadas,
Não se pode mais plantar mandioca,
Não se pode mais plantar mais nada.
                                      Nem poesia.
Ai, não se pode, não se pode, não se pode!


                         
3


Lixo atô-mico!
Luxo atômico para são paulo!
                                        r i o
                        brás     íl     ia...
Lixo para o Piauí,
Lixo, bicho!
Gente do Piauí come lixo
                        o  pobre,
                           opóbrio!
                        o burguês.
Não esse lixo-luxo-energia
                des-man-te-la-da.
Fora o lixo atômico,
fora toda a lixívia!

Quem não sabe que o bicho e o homem
                                             não comem?

FORA, POLÍTICOS E CIENTISTAS
QUE SÓ ENTENDEM DO ATÔMO,
MAS NADA DO HOMEM!
                     
NEM do ab(do)mem.



Francisco Miguel de Moura
Poemas recitados pelo autor, em 23.10.1986, no bar Nós & Elis, logo que soube que o lixo atômico viria a ser despejado nalgum lugar do Piauí. Francisco Miguel de Moura nas noites em outubro, andava com o também poeta Ozildo Barros e baixavam no bar Nós & Elis, em Teresina, para conversar, recitar e revolucionar o tempo e o ambiente. Via blogue do autor.


Nenhum comentário:

acompanhe por e-mail