NÓS & ELIS & GERALDO BRITO




Numa ligeira regressão, chegamos ao ano de 1984. Muita tensão, embora os dias da ditadura militar estivessem praticamente contados, eis que chegou o dia 25 de abril, dia da votação na câmara dos deputados, da emenda Dante de Oliveira, que propunha eleições diretas para o ano seguinte, ou seja, 1985. Passei o dia em casa ensaiando para acompanhar a cantora Cláudia Simone, que iria interpretar uma canção de uma compositora que não me lembro agora o nome, no festival organizado pelo Diretório Acadêmico da UFPI. Chegou a noite e fui pro Theatro 4 de Setembro para o dito festival. Ao sair do Theatro, indaguei a respeito da votação, que ainda não tinha acontecido e isso ao redor da meia-noite. Tal fato só foi acontecer às duas da madruga já no dia 26. Resultado: a emenda não foi aprovada. Decepção geral principalmente por alguns deputados que ficaram em cima do muro e não compareceram. Mas, tudo isso só pra lembrar que nessa noite seria inaugurado o bar Nós e Elis, onde antes funcionara o Quinas Bar (local onde houve um incidente envolvendo o meu amigo Peinha do Cavaco, que foi torturado pelas garras da algoz ditadura militar). Todavia nessa noite não compareci ao evento (não me lembro agora a razão), mas logo, logo, tornei-me um assíduo frequentador do bar e também um dos músicos que mais participaram da agenda da casa. Fantásticas noitadas aconteceram ali. Lembro de uma em 1985, por ocasião da presença da cantora Gal Costa em Teresina, apresentando o seu show BEM BOM. Após o show a equipe técnica da cantora compareceu em peso ao bar, onde as atenções foram voltadas para o técnico de som Rogério Costa, irmão da cantora Elis Regina. Detalhe: todos os copos do bar eram padronizados com fotos de Elis, o que foi o bastante para irritação de Rogério, que argumentava o fato da imagem da cantora estar vinculada a bebidas. Rogério, procurou o proprietário do bar Elias Ximenes, que após horas de conversa conseguiu conciliar tudo.

Outro incidente aconteceu no finalzinho do ano de 1985. Quatro rapazes chegaram ao bar por volta das 21h, sentaram e após umas e outras começaram a aprontar, fazendo aposta para ver quem conseguia acertar num pobre gatinho indefeso que estava passeando numa cerca de madeira que circundava o ambiente. Um deles atirou e errou o alvo, o que foi o necessário para o Elias ficar uma fera e imediatamente chamar uma viatura da polícia. Com a presença dos “ôme”, os vândalos fugiram, sendo perseguidos pela viatura e acompanhado por vários clientes do bar, que clamavam por justiça. Mas, a polícia prendeu os rapazes e após um tempo de interrogatório, diziam-se policiais federais. O delegado Torres requisitou o superintendente da polícia federal, que ao chegar à Delegacia, desmascarou os mentirosos e ainda descobriu que o líder do bando era Paulo Andrade, filho de Castor de Andrade.

Esse aconteceu com próprio Edvaldo Nascimento, de quem vocês também estão tentando arrancar algumas informações. Era, acho eu, 1986, tempo em que o Nascimento, estava a todo vapor com shows na coroa do Parnaíba, Theatro 4 de Setembro, Feira de Arte Popular, sei lá em quantos lugares ele passou. O Negão (apelido carinhoso do Ed), era um bom frequentador do bar, porém como compositor, não era muito bem quisto pelo Elias, até então. Mas, eis que uma noite o Ed, após realizar um daqueles shows contagiantes (no tempo em que tinha dois ótimos performáticos back vocal: a Edneide Magalhães e o Vicentim), segue para o Nós e Elís, com objetivo de relaxar um pouco e também ouvir a gravação do show, feita pelo Zé Dantas, ainda em fita cassete. No palco do Nós, tinha um rack de som para shows incluindo um tape-deck para som ambiente onde tocava principalmente músicas gravadas pelas Elis. Edvaldo ou mesmo a Edna, não lembro, subiu ao palco e colocou pra rodar a fita do show. E ficamos a curtir detalhes da gravação, quando chega o saudoso Elias Jr. esbravejando em bom tom: "quem colocou essa fita aqui? isso é contra os princípios do ambiente! aqui não toca rock and roll!". Edvaldo, ficou na dele (ainda era caladão e só emitia uma ou outra frase monossilábica), mas a Edna, como é do seu temperamento, não ficou calada e começou a argumentar com Elias, que estava outra vez enfurecido. Após acusações de ambas as partes, Elias, perdeu as estribeiras e mandou essa: "fora daqui você e seu roqueiro!". Só não lembro se, após esse compulsório convite, os dois ainda continuaram no bar, talvez sim.


Geraldo Brito



NOTA DO EDITOR, Joca Oeiras:

Um ano se passou desde que comecei a pedir que as pessoas escrevessem sobre o Bar Nós e Elis. A maioria absoluta dos que escreveram, nos mais diversos contextos, citaram, em suas crônicas, o músico Geraldo Brito. O João Cláudio Moreno considera, mesmo, ser impossível falar do Nós e Elis  sem falar dele. A Vera Mascarenhas, viúva do Elias, disse, em sua crônica: “De todos os cantores e músicos que se apresentaram, não posso deixar de citar Geraldo Brito que, em nome dos demais, presto homenagem”. O texto acima, de autoria do GB deixa muito a desejar, não pelo o que nele está escrito, até pelo contrário, mas pelo fato de ser de autoria de alguém que escreve bem, viu tudo, sabe de tudo e que tem, segundo dizem, uma prodigiosa memória. De minha parte eu fiz o possível para conseguir mais. Ninguém escreve obrigado, no entanto.

Nenhum comentário:

acompanhe por e-mail