O SILÊNCIO DA "CARMINHA"





Agora a eterna e inseparável companheira está só, guardada na pequena e acolchoada caixinha que ele cuidava como o berço de uma criança. "Carminha” não pode entender a súbita separação e a ausência daqueles dedos ágeis que a tocavam elegantes e delicadamente. Também não tem mais a presença dos lábios que a sopravam, às vezes suave, às vezes freneticamente para produzir as mais diferentes e perfeitas notas, numa completa sintonia entre o animado e o inanimado.

“Carminha“ é o nome da flauta de Netinho, o talentoso músico de São João do Piauí que faleceu, prematuramente, na sexta-feira passada, 22 de março, mas cujo nome já está imortalizado em várias canções que compôs e nas que ajudou seus companheiros a compor.

Irrequieto, Netinho da Flauta não teve paciência para ficar nos bancos da universidade, o que talvez tenha sido uma percepção de que sua passagem por aqui não fosse longa. O primeiro instrumento foi-lhe dado pelo pai. Autodidata, em pouco tempo descobriu sua verdadeira vocação e se tornou conhecido no meio artístico por dominar, como poucos, os sons que saiam da sua “Carminha”.

E ele conseguiu demonstrar seu talento nos tempos do Grupo Candeia, do Grupo Varanda, em apresentações nos bares como “Nós e Elis”, no Theatro 4 de Setembro, em praças, em penitenciárias, nas casas do amigos e nos botecos..

A “roça” e o mar eram seus lugares prediletos. Além da música, a labuta com a terra e com os animais eram ocupações preferidas, até porque se considerava um verdadeiro representante do sertanejo, do homem do campo. E era verdade! Netinho se emocionava, tocava e cantava com alma as músicas que falavam coisas do sertão, do nordestino, embora fosse um defensor da ideia de que não existe música de um lugar só. Ele costumava dizer que “a música é universal, tanto faz do sertão do Piauí quanto do Japão. A diferença só está na qualidade”.

Elétrico, o DA Flauta facilmente conquistava a simpatia das pessoas com sua alegria e um jeito espontâneo de agir, criando expressões e palavras que rapidamente passavam a fazer parte da linguagem dos que conviviam com ele. Onde chegava não passava despercebido, retorcia o pescoço, amarrava o cabelo em rabo de cavalo e longo partia para a lorota. Quando se sentia sem espaço, “saia por riba do lajeiro”.

Netinho deixou muitos amigos e admiradores. Era um “cidadão do mundo” como ele mesmo fazia questão de dizer. “Minha casa é o meu chapéu”. Esse espírito aventureiro viajou o Brasil afora, fazendo shows e parcerias com músicos renomados como Xangai, Elomar, Vital Farias e muitos outros.

Apesar de seu enorme talento e da grande facilidade em se relacionar, Netinho da Flauta não passava muito tempo no mesmo lugar. Ao sentir que a situação não estava sob seu controle, avisava logo aos amigos “vou vazar”, ou então “meu irmão, vou decepar os testículos do miau, ou seja, vou capar o gato”. Aí pegava sua Carminha e sumia. Com ele não tinha “dois tempos’ e as dificuldades, essas “comia com coentro e acebolado”.

Tão apegado às mulheres, DA Flauta vivia mudando de lagartixa. Quando pensava na liberdade resolvia “a parada” rapidamente. Era admirador do “Vagal”, o malandro honesto, sujeito esperto. Para Netinho ninguém morria, “pegava o eterno”, o ônibus para o além. Certa vez lhe perguntaram se um amigo comum era diabético, pois passara mal numa festa. De pronto respondeu: “- Não, ele é diambético, fuma uma diamba danada".

Por essa maneira diferente de enfrentar o mundo e se relacionar com as pessoas, muitos “chegados” de Netinho ainda não conseguiram entender o momento que estão vivendo. Não se conformam com o silêncio da “Carminha”. Alguns não acreditam que aquele moço forte e corajoso tenha morrido tão repentinamente.

A esses amigos cabe apenas mandar um recado ao DA Flauta: todos nós achamos que você “pegou o eterno” muito cedo. Mas não há problema, porque qualquer dia “a gente se encontra pra uma outra folia”. Quieta!



Luiz Brandão
em DIÁRIO DO POVO
em 26 de março de 2002

Nenhum comentário:

acompanhe por e-mail