PROIBIDAS AS LUZES MODERNAS


os bêbados sem dor

ao toque dos cadeados nos velhos portões
ao brilho do ferro antigo estacionado
ao beijo nos temperos do mercado

esfrego as mãos nos vestígios de tinta e cola com papel
[ressecados nos postes

singrar por uma cidade onde as ruínas ruminem



em 2015 (inédito em livro)

acompanhe por e-mail