LOURO


                             À memória de Euclides Marinho.


Tinha a loucura do espaço,
a lúcida vertigem do sonho.

Sua vida era um filme inacabado
como o próprio amor.

Planava no espaço como um gavião
- os cabelos ensolarados
pela vida.

                 (que será do espaço
                 sem o sol dos seus cabelos?
                 que será da nuvem
                 que brincava de ter medo
                 ao seu planar?
                 que será da vida
                 derrotada em pleno espaço?)

                 Projétil a esmo,
                 asas sem rumo,
                 pássaro ferido
                 arremessado no tempo.

O coração enciumado da terra
manchado de sangue.
O coração dos homens
torturado de dor.



Herculano Moraes
em SECA, ENCHENTE, SOLIDÃO
Editora EMMA: Porto Alegre, 1977

Nenhum comentário:

acompanhe por e-mail