João Ferry - síntese biográfica


A poesia de João Ferry tem duas fases. A do parnasianismo 
multiforme e a da compreensão e assimilação dos novos rumos 
da poesia, procurando libertar-se dos processos matemáticos 
da métrica e da forma. Herculano Moraes


Nasceu João Francisco Ferry em Valença do Piauí, no dia 16 de abril de 1895, onde estudou as primeiras letras com seu pai, o professor José Francisco Ferreira da Silva, no Colégio São José. Com apenas instrução primária, João Ferry parte logo para o trabalho no comércio aos 12 anos de idade. Com a experiência no setor, em breve seria guarda-livros em importantes firmas comerciais piauienses, como a Agência de Rossbach Brasil Companhy, Joaquim Luz & Cia. e Ney Ferraz & Cia., de Teresina. 

Enquanto prepara seu livro de versos, Princípios, que será publicado, de parceria com Luís da Paixão Oliveira, em 1914, João Ferry faz uma proveitosa incursão pelo interior de seu Estado, tendo trabalhado em Paraíso (hoje Miguel Leão), Pimenteira, São Pedro do Piauí (como vereador) e nos últimos dias de vida na prefeitura de São Miguel do Tapuio.

Interessando-se também pelo teatro e pelo jornalismo, fundou em sua cidade natal O Lépido, jornal de crítica literária, sendo um dos lançadores do jornal Cidade de Floriano, considerado por Fenelon Castelo Branco um dos melhores da imprensa nacional. Por outro lado, João Ferry teve o seu momento de glória no teatro, quando suas peças era encenadas em todo o Estado e representam de fato os primórdios do gênero no Piauí.

Poesia simples, sem rebuscamentos das escolas em voga, embora a paga do tributo da rima, João Ferry desenvolve também uma espécie de ironia diante dos problemas dos problemas da existência, com a compreensão dos simples e dos ingênuos que tanto marcaram a poesia popular de Hermes Vieira, Hermínio Castelo Brando e mesmo Ovídio Saraiva. Gostava de juntar prosa e versos nos seus livros, com é o caso de Em busca de luz, de 1922, que traz a comédia Quem tudo quer tudo perde, já encenada em quase todos os municípios do Estado do Piauí.

Patrono da Cadeira 38 da Academia Piauiense de Letras e membro da Associação Profissional dos Jornalistas e do Cenáculo Piauiense de Letras, João Ferry morreu em Teresina no dia 22 de setembro de 1962.


Assis Brasil
em A POESIA PIAUIENSE NO SÉCULO XX | Antologia
Teresina / Rio de Janeiro: FCMC / Imago, 1995

Nenhum comentário:

acompanhe por e-mail