CABEÇA DE CUIA

                                   
                                      lenda piauiense.
                                      À Profª Clóris Oliveira.


Que sina maldita
   cabeça de cuia

                     boiando no rio cojuba emergida
                     sete marias não chegam jamais,
                                                              Cabeça de Cuia,

                     e boias insano brincando com os peixes
                     os olhos nas margens do rio comparsa

Crispim foi a água
   na fonte da pia.

                     e as mãos levantadas romperam a fronte
                     e o leite materno era rubro e tingia
                     de negro, teu negro horizonte,
                                                              Cabeça de Cuia.

Que sangue assassino
   manchou tuas mãos.

                     remeiro que passa varejando meu rio
                     não toques cojuba que boia ao teu lado
                     é o filho maldito, é Crispim condenado,
                                                              Cabeça de Cuia.

Meninas tão puras com nome de santa
não chegues tão perto da cuia boiando
É Crispim que espera, é o filho maldito
é Cabeça de Cuia esperando... esperando...

                     Que sina maldita
                        cabeça de cuia



Herculano Moraes
em SECA, ENCHENTE, SOLIDÃO
Porto Alegre: Editora EMMA, 1977

Nenhum comentário:

acompanhe por e-mail