"As árvores da Avenida Santos Dumont"




As árvores da Avenida Santos Dumont
                dividem o céu entre sol e semáforos
Parece que a beleza esconde toda dor
                e descanso a cabeça cheia de nada
Suas folhas não ligam para o casal no bar
                nem os passageiros que decolam com medo
                em outro voo do Aeroporto Petrônio Portela
Passeio, sem pressa, respiro, o sangue circula
Minhas pernas percebem o cair da temperatura
Interessante percorrer a anatomia dos sentidos
Jamais entenderei tal alegria flutuante
                Todo limite é miragem nessa parte da cidade
Sem saber, as árvores crescem alterando
meu corpo por diferentes estados emocionais



Thiago E
poema enviado pelo autor

Nenhum comentário:

acompanhe por e-mail