A CIDADE MORTA


IX


                     Um dia escavarão esta cidade
                             nas sobras do futuro
      mas não encontrarão o sorriso da garota da praia
nem o instante de felicidade que tiveram um homem e uma
                                    [mulher numa noite de intenso verão.

      Acharão talvez um slide colorido da paisagem
              mas que não dará ideia do que foi a cidade
                                         nem o seu povo
                                      microfilmado dia a dia
em congestões de tráfego, abusos de poder e falta de amor.

                É difícil que encontrem um documento válido
                       da incompreensão que gerou
                                             tantas incompreensões
mas encontrarão pedras fundamentais e pedras finais
                    e talvez vestígios de uma catástrofe de concreto

mas

              — e as catástrofes íntimas
                   e o que cada um em si morreu no cada dia,
                   o que restará?
                 
             E o que encontrarão do esforço de eternidade
             que (cada um) fizemos para não morrer?
                             E de nossa linguagem, quem terá os cantos?
       E dos nossos destinos, quem reconstituirá os sonhos?
                                          E de nossa angústia, quem verá os traços?
                                        E de nossa solidão, qual será a ruína?

Passarão pelos escavadores apenas fantasmas inapreensíveis
                    e a memória repousará incógnita
                                                     sob árvores de pedra
                                                e estilhaços de metal.

               
                                                                                         dez. 66


Álvaro Pacheco
em O SONHO DOS CAVALOS SELVAGENS (1967)

Um comentário:

Rosa Kapila disse...

Belo poema. Acho q no fundo no fundo toda Musa acaba sendo esquecida. Mas os signos são belos tanto "musa" quanto "esquecida". Realmente as palavras lindas nos dá um frisson.

acompanhe por e-mail