DOMINGO DO RIO




O rio technicolor
aos domingos (todos os domingos
de sol na Coroa).

Moças vermelho
coxas branquinhas
homens cinzentos
meninos azuis.

Depois da missa, purificada,
a cidade descia para o rio
e docemente sonhava com o pecado
nas areias de veludo da Coroa.

E um domingo, no fundo da canoa,
perdida, entre a verde canarana,
o menino viu o sexo conjugado
(o rio, o domingo, o espanto).



Álvaro Pacheco
Teresina, maio de 1965
em MARGEM RIO MUNDO
Artenova: Rio de Janeiro, 1965

Nenhum comentário:

acompanhe por e-mail