TERESINA (PI), 1º DE MAIO DE 1979, RUA RIACHUELO PRÓXIMO AO CRUZAMENTO COM RUA PAISSANDU





Foi bem aí onde “quebrei o cabresto”,
onde descobri o prazer de “dá nos gosto”.
Foi nesse tempo mesmo, e o templo da Graça
era mesmo nessa rua. Bateu uma saudade da
Graça. Ah! Graça! Inesquecível, Graça!
Precisava nem pagar, e ainda tinha o luxo de ter
“as partes lavadas” com aquela deliciosa água fria
que ficava nas garrafas de vidro ali no canto,
ao lado da bacia de alumínio. - Ela fazia isso com
tanto carinho e destreza - Ainda menino, ficava
“cheio de pernas” quando, de dia, perambulando
pelas ruas da Paissandu, cruzava com a graça e ela
me dizia: vem cá meu menino do “zoim” verde,
deixa eu... e no meu olho ficava o contorno de sua
boca vermelha. Bateu uma saudade! Acho que vou
bater...



Kilito Trindade
em Coletânea Tara
Teresina: 2012

Nenhum comentário:

acompanhe por e-mail