CIDADE PÁLIDA




Fontes luminosas
Que não funcionam,
Plantas que não floram
Por falta de inverno,
De seca a seca
São peladas.
São fontes de inspirações
Pelo sofrimento.

Solo mal adubado,
Caule fraco
Cheio de formigueiros
E a prefeitura não compra veneno.

Tudo sofre:
O povo e a praça
Por culpa de quem
Promete o carro pipa,
Porém, não manda nem leva
Porque não tem tempo.

Praça pobre:
Jardim, seu rosto
está pelado...
Deixa a Cidade Pálida.



Neto Sambaíba
em UM MALUCO INTELIGENTE

Nenhum comentário:

acompanhe por e-mail