T. REX CINE


para eliete e soraya


cinema paleolítico
fantasmático paralítico
quantos filmes você viu ?

veludo azul
bandido da luz vermelha
era uma vez na américa
amarelo manga
kill bill

tanto filme
onde é que já se viu ?

cine rex
da sua sacada
quanto desejo
quanto tesão e delírio
na praça pedro segundo

gerações de poetas, esses seres esquivos,
invocaram as tropas celestiais
e hordas de demônios
em caçadores da arca perdida*

sucessões de namorados, normalistas e funâmbulos
medindo bocas em big close ups
fusão de corpos mixando línguas
no escurinho do cine rex

cine cine cine rex
cinema dos meus fascínios
com quantos fotogramas
se escreve o roteiro da sua ruína
estrelado por poetas, cinemeiros, namorados
sitiado nessa praça
à espera do inexorável
fim.



*dos chatoboys da abá dobal
aos cavaleiros da triste figura de torquato neto
dos delinq?entes da imagem digital de douglas machado
à farra do verbo de durvalino, demetrios e kilito.
[the pi - nov 2004 / nov. 2008]




Chacal
em T. Rex Cine
Teresina: 2008

Um comentário:

Edmar Oliveira, disse...

Esse poema do velho Chacal eu já conhecia é uma bela homenagem às tardes de domingo para quem viveu a Teresina esquecida. Ótimo achado para o blog.

Edmar

acompanhe por e-mail