FLAGRANTES DE TERESINA




I


À meia-noite
percorria a praça.
A noite era silente e fria
e nenhuma estrela luzia...
O manto escuro tudo
envolvia e ninguém mais existia.
Apenas o olhar cego
do Conselheiro, ao longe,
indiferente, me via.



II


Em criança
a carranca do Barão
em seu assombro me fascinava.
Seu bigode recurvo espetava o ar
a ceifar a brisa como às nuvens
e ao céu o alfange lunar.
Um besouro inoportuno
bolinou o bigode do Barão
e o bigode de bronze
imperceptivelmente se moveu.



em Poemágico, A Nova Alquimia
Teresina: Projeto Petrônio Portela, 1985

CAMINHO DE PERDIÇÃO (trechos)

Capítulo 7 Saímos, eu e o Borba. Sentamos num banco da praça Pedro II, os olhos espetados no voltear das môças. Borba falava: -...