Duas perguntas para o Menezes y Morais



Rodrigo M Leite: O que foi o movimento "Viver Teresina" que aconteceu na década de 70 em Teresina, Piauí?

Menezes y Morais: O Movimento Viver Teresina foi uma tentativa de chamar atenção dos artistas em geral, especialmente dos poetas, para que incluíssem em sua produção a nossa amada "Cidade Verde" como musa ou referência. Uma tentativa de levantar a autoestima da cidade, como você faz no "A Musa Esquecida". Eu lancei a ideia e logo depois migrei do Estado, e, retornando em visita um ano depois, fiquei tão feliz, porque o poeta William Melo Soares dera continuidade à campanha, lançando um livro de poesia com a informação "da coleção Viver Teresina". E vi duas pichações em muros do centro da cidade "VIVER TERESINA". Achei o maior barato.


Rodrigo M Leite: Li aquela sua entrevista feita por Wilmar Silva, do portal Germinaliteratura. Nela você comenta que veio de Altos para Teresina e que por volta dos 18 anos a sua poesia "ganhou a dimensão do real". Então, com 18 anos em 1969/70, quais lugares você frequentava em Teresina? 

Menezes y Morais: A minha poesia mudou por dois motivos: primeiro, mostrei grande parte para uma professora, ela disse que gostou muito e comentou: "Mas você, tão novo, tem tanta experiência...". Eu rasguei os poemas que ela elogiou, porque eram mentirosos, ficção, eu não tinha vivido nada daquilo, apenas imaginado. E depois, fui convidado para editar o Suplemento de Cultura do jornal O Dia: a experiência diária, cara a cara, com a realidade, consolidou a mudança: só escrevo sobre aquilo que eu vivo. Eu andava na cidade inteira, amava andar a pé (até hoje). Especialmente nos finais de semana. É claro que isto não era possível no horário de pico do sol. E nos finais de semana, era banho de rio e pescaria (de anzol ou linha de mão, pra pegar arraia), no Rio Poti, com amigos, família.

Nenhum comentário:

acompanhe por e-mail