CIDADE GRANDE




Dando (m)urros
no vazio
por causa da dor
              da doidice
da vida
da vivida mediocridade
entre ruas
       nuas sujas tristes
as ladras
   ladram como cães
e os cães
gemem como homens.
Na (c)idade
do lobo
o lobo-homem
é o lobisomem
           do homem.
Tudo é
ferro feio (en)ferrujado
ferindo feridas
já abertas.
Na cidade
na cilada
das suas ruas
surgem (g)ritos
lavados em sangue
lavrados a ferro e fogo.
Soltam berros
soltam (b)urros
prendem os b'rros
que incomodam.
Na cidade grande
onde não existe
pôr-de-sol
o homem gira e pira
sem (gira)sol.



em Poemágico, A Nova Alquimia
Teresina: Projeto Petrônio Portela, 1985

Nenhum comentário:

acompanhe por e-mail