CENAS DE MORTE SOBRE O RIO




quando a gente tá nessas noites de ansiedade
e sai madrugada afora com um litro de chave de ouro
sob a camisa, comprimindo a lágrima na estação da saudade
descobre que a poesia ajuda a viver e quer que nosso poema
fira a carne dos mortais mas traga boas doses de riso
quem detém sobre a alba o sorriso perdido?
quem detém na vida a luz da saída?
quando a gente descobre que está só no mundo
está nu sobre o rio, e que a brutalidade das margens
compressas faz com que a água venha transbordando
dos olhos nos alhos, quer chorar sob a lua...
quem chamou por mim lá no longe?
quem me olhou chorar sob a ponte?
a vida é mesmo essa multidão de rostos inválidos
que a gente precisa ressuscitar. o poema é a melhor
maneira de falar para os meninos perdidos na escuridão
do rio e para as meninas da vida cingidas de cio...
quem viu meu poema no horizonte?
será que a vida me garante?


em Percurso do verbo
Teresina: 1987

Nenhum comentário:

acompanhe por e-mail