O RIO




O rio não é mais
um veio de esperança
nem o livre caminho
que nos conduz ao mar.
O rio é um fio de sujeira
- cemitério aberto –
que na tarde se funde
com as cloacas da cidade.



V. de Araújo
em POESIA TERESINENSE HOJE
Teresina: FCMC, 1988

Nenhum comentário:

acompanhe por e-mail