BAR CARNAÚBA




No Bar Canaúba
(onde é que fica? na memória?)
desempregados,
estudantes, senhores de terno e gravata.
A putaria de olhares trocados
                                              sensuais
Mulher contrapassa
                               homem com trapaça.
Faladores, cafezeiros, filadores,
torcedores, fumancistas, professores.
E o recado no ar para os descontentes
(1968 ou 64):
- O Comandante da Polícia Militar
mandou que fossem descansar
em paz, em suas casas:
- O Presidente caiu, não leiam os jornais.
Desce a noite. E a praça está lá...
Serenamente corre como o rio,
branco colar de contas, sem fio.
Entro no Teatro para assistir a um filme.
Bar Carnaúba de ontem, você não caiu,
ainda te bebo na lembrança:
- liberdade curtida!



Francisco Miguel de Moura
em Poesia Incompleta 
Teresina: FCMC, 1997

Nenhum comentário:

acompanhe por e-mail